Criatek 2018 | Filipe Cunha

Criatek 2018 | Filipe Cunha

O processo de candidatura

 

O programa europeu Capital Europeia da Cultura assume como objetivos a promoção da diversidade cultural europeia e do acesso livre e democrático a todas as formas de expressão artística e cultural. Uma candidatura a Capital Europeia da Cultura constitui-se, assim, como um processo longo, complexo e exigente. Não se trata de identificar um conjunto de infraestruturas e eventos, mas antes de conceber um programa cultural inovador, aberto, diverso e inclusivo, suportado em conceitos agregadores e em estratégias sustentáveis de desenvolvimento urbano, contribuindo para uma grande participação comunitária e para o reforço da atratividade internacional da cidade.


Critérios de seleção

A candidatura de uma cidade a Capital europeia da Cultura é avaliada através de seis critérios:

Estratégia a longo prazo

  • Existência de uma estratégia cultural para a cidade;

  • Plano com vista ao reforço da capacidade dos setores cultural e criativo, incluindo o desenvolvimento de relações a longo prazo entre os setores cultural, económico e social;

  • Prever o impacto a longo prazo ao nível cultural, económico e social, incluindo o desenvolvimento urbano;

  • Planos para o acompanhamento e a avaliação do impacto do título na cidade candidata.

Dimensão europeia

  • Atividades que promovem a diversidade cultural da Europa, o diálogo intercultural e uma maior compreensão mútua entre os cidadãos europeus;

  • Atividades que realçam os aspetos comuns da cultura, do património e da história europeus, bem como a integração e os temas europeus atuais;

  • O âmbito e a qualidade das atividades em que participam artistas europeus, a cooperação com operadores ou cidades de diferentes países e parcerias transnacionais;

  • A estratégia para atrair o interesse de um vasto público europeu e internacional.

Conteúdo cultural e artístico

  • Uma visão e uma estratégia artísticas claras e coerentes para o programa cultural;

  • A participação de artistas e organizações culturais locais na conceção e na execução do programa cultural;

  • O alcance e a diversidade das atividades propostas e a sua qualidade artística global;

  • A capacidade para combinar o património cultural local e as formas de arte tradicionais com expressões culturais novas, inovadoras e de caráter experimental.

Capacidade de execução

  • Amplo e sólido apoio político, suportado por um empenho sustentável das autoridades locais, regionais e nacionais;

  • Infraestruturas adequadas, viáveis e sólidas.

Alcance de públicos

  • A participação da população local e da sociedade civil na preparação da candidatura e na execução da ação;

  • A criação de novas oportunidades sustentáveis, tendo em vista a participação e a presença de uma vasta gama de cidadãos nas atividades culturais, em particular jovens, voluntários e pessoas marginalizadas e desfavorecidas, incluindo as minorias, sendo dada especial atenção ao acesso a essas atividades por parte das pessoas com deficiência e dos idosos;

  • A estratégia global de alargamento do público, nomeadamente a ligação com o ensino e a participação das escolas.

Gestão

  • A viabilidade da estratégia de captação de fundos e do orçamento proposto;

  • A estrutura de governação e execução prevista;

  • A estratégia de marketing e comunicação;

  • A estrutura de execução que contemple a necessidade de pessoal com competências adequadas e experiência para planear, gerir e executar o programa cultural.